Flexibilização da posse de armas pode aumentar feminicídios

Foto: Getty Images/iStockphoto

19 fev: Flexibilização da posse de armas pode aumentar feminicídios

As mudanças no Estatuto do Desarmamento para facilitar da posse de armas para cidadãos comuns podem contribuir para mais casos de assassinatos de mulheres no Brasil.  A maioria das mulheres vítimas desse crime são assassinadas por seus parceiros, e a maior parte desses casos acontece dentro de casa. Armas de fogo são a segunda opção utilizada para execuções, segundo uma pesquisa realizada pelo Ministério Público de São Paulo. Por isso a liberação da posse de armas pode ter efeitos trágicos para todas as mulheres da sociedade.

Entre 1980 e 2016 cerca de 910 mil pessoas foram mortas por armas de fogo no Brasil. O regulamento sobre a posse de armas é de 2003, antes disso era comum ver anúncios de venda de armas em jornais e revistas. O Estatuto foi criado para restringir a posse e o acesso no país.

BRASIL REGISTRA ALTA NOS FEMINICÍDIOS

Entre março e agosto de 2020, ocorreu um feminicídio a cada nove horas, com uma média de três mortes por dia. Os dados são do segundo monitoramento Um Vírus e Duas Guerras, feito por parceria entre sete veículos de jornalismo independente, que visa monitorar a evolução da violência contra a mulher durante a pandemia.

Outra razão possível desse aumento é o boicote aos programas criados em governos anteriores com o carimbo “de esquerda” cujo principal objetivo é proteger mulheres contra a violência. Exemplos de programas que sofreram esse corte foi a Casa da Mulher Brasileira, que acolhe vítimas de violência doméstica. Na área de infância e juventude, programas federais estão sendo bancados pelos governos estaduais para que continuem existindo, porque não há uma única ação efetiva que não passe dos discursos “polêmicos” e das ações de desinformação nas redes sociais.

Outro dado preocupante nesse cenário é que enquanto os feminicídios aumentaram 22% e as chamadas de emergência subiram 3,8%, os registros de agressões feitos em delegacias diminuíram 10%, revelando alta nas subnotificações.